Blog

chupar o dedo
Apesar de natural, chupar o dedo pode gerar problemas fisiológicos, estéticos, emocionais e até de convivência em sociedade.

Chupar o dedo é um comportamento instintivo e natural no bebê, que coloca os dedinhos na boca quando ainda está no útero materno. Ele faz isso para fortalecer a musculatura responsável pelos movimentos da sucção, preparando-se para mamar.

Apesar de natural, chupar o dedo pode gerar problemas fisiológicos, estéticos, emocionais e até de convivência em sociedade.

A sensação de conforto acalma a criança, que passa a relacionar a sucção com um estado de segurança e aconchego. O hábito pode durar certo tempo, e os problemas só aparecem quando este gesto se torna frequente e se estende além do primeiro ano de idade.

Quando chupar o dedo se torna uma mania, um gesto automático, pode-se substituir o dedo por outra forma de conforto emocional, dependendo da dinâmica familiar e das preferências da criança.

Já nos casos de um comportamento ansioso, antes de retirar o hábito de chupar o dedo, deve-se diagnosticar e solucionar a causa da ansiedade.

Chupar o dedo pode ser sintoma de dificuldade para enfrentar uma situação nova. É comum, por exemplo, que uma criança que não chupava mais o dedo, retome o gesto com o nascimento de um irmão.

A criança maior, que ainda chupa o dedo, também pode ser excluída do grupo pelo comportamento infantilizado, já que o gesto de chupar o dedo pode ser caracterizado como uma “atitude de bebês”.

Quando parar

O grande problema é que o dedo, diferentemente da chupeta e da mamadeira, não pode ser dado ao Papai Noel ou ao Coelhinho da Páscoa – um recurso usado por muitos pais e mães para auxiliar no processo de retirada. Faz parte do corpo e, por isso, é mais difícil de a criança largá-lo. A dica, então, é desencorajar o costume assim que ele aparecer. Ofereça alguns objetos para o bebê segurar, pode ser brinquedos ou mordedores, e estimule brincadeiras com as mãos. Aos poucos, isso faz com que a criança perca o interesse no dedo.

Orientações:

  • Interrompa o hábito durante o sono
    Observe o comportamento do seu filho enquanto dorme e sempre que perceber que ele leva o dedo à boca, tire cuidadosamente para que ele não acorde.
  • Descubra os momentos do vício
    Muitas vezes, o hábito está ligado a uma situação de insegurança ou medo. Perceba quando isso acontece e, na próxima situação, peça que ele segure um brinquedo ou proponha outra atividade.
  • Valorize outros comportamentos do seu filho
    Para que ele não pense que consegue seu olhar apenas chupando o dedo.
  • Converse na escola
    Se o seu filho já está matriculado na escola, fale com o responsável para que observe e interfira sempre que possível, oferecendo algo para ele segurar ou sugerindo uma brincadeira.

Não existe uma idade certa para a criança parar de chupar o dedo, mas o ideal é que persista apenas até o primeiro ano de vida. Quando vai muito além desta idade, pode provocar atrasos e alterações de fala, atraso do desenvolvimento e amadurecimento da mastigação e deglutição e de posição dos lábios, causando respiração oral ou mista, e até mesmo problemas na aceitação de determinados alimentos. A má oclusão pode interferir nas funções de respiração, deglutição, mastigação e fala.

Referências:
Revista Crescer
Revista Pais e Filhos
Babycenter
Sociedade Brasileira de Pediatria